terça-feira, 13 de novembro de 2012

Palavras, farsas e silêncios


Tu queres poesia?
Então, perfuma-te num longo banho,
Despe tua mais sedosa camisola
E deita teu belo corpo naquela cama.

..........Sim! Aquela, onde enfrento meus medos
..........Todas as noites
..........Sem teu hálito doce e só.

Agora, abre teus braços
E oferece teus seios
Com teu melhor olhar...
E cala minhas palavras
Com os beijos
Que te levarão pra bem longe daqui.

Confia-me teu ventre
Às luxurias que aprendi nos bordéis,
Onde jamais pisastes...
..........E entreabre tuas pernas
....................Relevando-me teu melhor abismo...

Tu queres poesia?
Então, receba a poesia que te cabe!
..........Sente como ela te avassala!
....................Te corrompe, te reduz a simples fêmea.

Percebes a poesia, agora, dentro de ti?
Pois, ela é tua! Somente tua...
.
... E eu te espero...
Nesse movimento contínuo
De certeza, dúvida...
.
...Até que a tua meretriz
Libere o urro que trazes
Preso à garganta,
Parido de tuas entranhas
E liberte teu melhor orgasmo.

...Louco? Eu?
Não, apenas um raro
Um poeta, talvez amante...
..........Mostra-me um poeta
....................Que não seja louco,
..............................Que te mostrarei um farsante!
.
.
Anderson Fabiano

6 comentários:

Lynce disse...

As tuas maminhas são bem melhores que as da foto. essa é que é essa!

{Savannah}_Vidär disse...

Olá,

Que lindo!!

Um abraço

Sarinha disse...

Adorei.

Beijos

Sarinha

ohma disse...

Poema ben fermoso.
Saúdos.

efe{LL} disse...

Es sabido que los poetas son grandes amantes.

Un abrazo

Sophysticada disse...

Petála...

Seu cantinho é sempre um presente adorei...

Bjk@s