terça-feira, 13 de novembro de 2012

Palavras, farsas e silêncios


Tu queres poesia?
Então, perfuma-te num longo banho,
Despe tua mais sedosa camisola
E deita teu belo corpo naquela cama.

..........Sim! Aquela, onde enfrento meus medos
..........Todas as noites
..........Sem teu hálito doce e só.

Agora, abre teus braços
E oferece teus seios
Com teu melhor olhar...
E cala minhas palavras
Com os beijos
Que te levarão pra bem longe daqui.

Confia-me teu ventre
Às luxurias que aprendi nos bordéis,
Onde jamais pisastes...
..........E entreabre tuas pernas
....................Relevando-me teu melhor abismo...

Tu queres poesia?
Então, receba a poesia que te cabe!
..........Sente como ela te avassala!
....................Te corrompe, te reduz a simples fêmea.

Percebes a poesia, agora, dentro de ti?
Pois, ela é tua! Somente tua...
.
... E eu te espero...
Nesse movimento contínuo
De certeza, dúvida...
.
...Até que a tua meretriz
Libere o urro que trazes
Preso à garganta,
Parido de tuas entranhas
E liberte teu melhor orgasmo.

...Louco? Eu?
Não, apenas um raro
Um poeta, talvez amante...
..........Mostra-me um poeta
....................Que não seja louco,
..............................Que te mostrarei um farsante!
.
.
Anderson Fabiano

6 comentários:

Anônimo disse...

As tuas maminhas são bem melhores que as da foto. essa é que é essa!

{Savannah}_Vidär disse...

Olá,

Que lindo!!

Um abraço

Sarinha disse...

Adorei.

Beijos

Sarinha

ohma disse...

Poema ben fermoso.
Saúdos.

Anônimo disse...

Es sabido que los poetas son grandes amantes.

Un abrazo

Sophysticada disse...

Petála...

Seu cantinho é sempre um presente adorei...

Bjk@s